Screen-Shot-2020-02-24-at-12.12.52-PM

Precificação: Você está cobrando o preço certo em sua clínica ou consultório?

Hoje falaremos de formação de preços para Médicos e Profissionais de Saúde.

É expressivo o número de médicos que relatam excesso de trabalho e/ou falta de tempo para gestão e capacitação sobre este assunto. É comum saber muito sobre Medicina e muito pouco sobre gestão.

Aprender um pouco sobre gestão é um dos maiores investimentos que você pode fazer para o seu negócio. Por mais que você não goste tanto do termo, sua clínica ou consultório é um negócio, uma empresa, e a definição correta dos seus preços pode garantir uma margem confortável de lucro.

Se o seu objetivo é ter um consultório mais lucrativo, é fundamental que você entenda os custos envolvidos em seu trabalho e entenda se você está sendo remunerado adequadamente por ele.

Quem nunca formou preço perguntando para os colegas ou vendo o preço dos concorrentes?! Não se preocupe se é o seu caso, isso não é necessariamente um erro. Estudar a concorrência é prática comum em qualquer empresa, mas talvez você precise olhar um pouco da porta para dentro para ser remunerado de forma mais justa pelo seu trabalho.

Formar preço tendo como base apenas o preço dos seus pares não leva em consideração o que precisa ser levado.

Voltemos às aulas de matemática para uma equação bem simples:

Preço do Atendimento = Custos Fixos + Custos Variáveis + Impostos + Taxas de Cartão + Retrabalho + Lucro

Esta equação foi elaborada pela Dra. Clara Morena, do Descomplique seu Consultório, que tem um trabalho muito bacana de ensinar boas práticas de gestão em uma linguagem adaptada para o médico.

Agora, vamos entender cada componente da fórmula.

Custos fixos: não variam com número de atendimentos. (Exemplo: Aluguel, condomínio, IPTU, CFM etc)

Perceba que nos exemplos, citamos custos fixos mensais e anuais. Desta forma, para calcular seus custos fixos mensais (que é o dado que importa), o método da Dra. Clara nos ensinou que:

Custos Fixo Mensal = Custos fixos recorrentes mensais + 1/12 Custos fixos anuais + 1/ 6 custos fixos semestrais.

Calcular seu custo fixo mensal é indispensável para calcular sua taxa de sala, um componente importante da formação de preço muitas vezes negligenciado.

Sua taxa de sala é formada pelo seu custo fixo total dividido pelo número de horas produtivas por mês. (Taxa de sala = Custo fixo total/horas produtivas no mês)

Vamos ao exemplo do Dr. House, que atende 8 horas por dia de segunda a sexta, e tem um custo fixo total mensal de R$10 mil:

Custo fixo mensal: R$10.000
Horas trabalhadas por dia: 8
Horas trabalhadas por mês: 160

Taxa de sala = R$10.000/160 = R$62,50

Em bom português, a cada hora no consultório, Dr. House tem um custo fixo de R$62,50 para manter sua estrutura de trabalho.

Relembrando a fórmula para chegar ao seu preço ideal:

Preço do Atendimento = Custos Fixos + Custos Variáveis + Impostos + Taxas de Cartão + Retrabalho + Lucro

Lá no final deste artigo vamos fazer uma simulação de consulta e procedimento para ilustrar bem, mas por enquanto acompanhe o raciocínio.

Custos Variáveis: Variam de acordo com número de atendimentos. (Exemplo: insumos para o atendimento como luvas, medicações, ou equipamentos)

Impostos: No cálculo de seu atendimento, é necessário sempre considerar os custos de impostos. Preparamos um e-Book com a Contabilizei caso você não tenha certeza que está no enquadramento tributário mais adequado a seu caso. Baixe aqui.

Taxas de cartão: Em cada atendimento pago por cartão de crédito ou débito, incide uma taxa cobrada pelo seu prestador de serviço sobre o valor da transação. Lembre-se que os meios de pagamento digital são essenciais nos dias de hoje e com um impacto positivo no seu faturamento. Se você quiser ler mais sobre meios de pagamento, clique aqui.

Cadastre-se na Medicinae e conte com as melhores soluções de pagamento feitas em parceria com milhares de médicos brasileiros.

Retrabalho: Se você faz uma consulta de 1 hora e tem um retorno de 15 minutos, deve calcular a taxa de sala de 1h15. Se você usar consumíveis, também tem de calcular os consumíveis da consulta e do retorno.

Lucro: Esse todo mundo conhece! É a parte que lhe cabe do preço de seu atendimento, seja como pro labore ou como investimento. Dispensa maiores apresentações, certo?

Agora vamos fechar a conta do Dr. House.

Aqui, faremos com um Excel bem simples, que qualquer um consegue fazer. Não sabe nada de Excel? No papel também funciona igualzinho. Se você utiliza um bom prontuário eletrônico com uma ferramenta financeira, ele pode te ajudar a obter estes dados precisamente.

Para o caso de uma consulta.

Para um procedimento, incluiremos algumas linhas extras, com os utilizáveis.

Consultório Lucrativo
Aumentar a lucratividade do seu negócio pode significar manter o mesmo padrão de vida trabalhando menos. Nada mal, certo? Isso se o seu objetivo é ter mais tempo livre. Você tem a opção de melhorar seu padrão de vida trabalhando no seu ritmo atual. Ou ter mais capacidade em investir em sua clínica.

Aqui cabem dois adendos: O primeiro é que abordamos o tema precificação de uma forma bem simples. Este é um assunto que pode ser abordado de uma forma muito mais complexa e teórica do que fizemos aqui.

O segundo é óbvio, mas vale ser dito: reajustar preço nem sempre é simples. Tudo depende de quanto sua base de pacientes está disposta a pagar. No entanto, certifique-se sempre que você está sendo remunerado de uma forma satisfatória. Cobrar barato e lucrar pouco pode ter seu preço. Em muitos casos, uma comunicação adequada sobre reajustes para os pacientes resolve este desafio.

Caso queira se aprofundar um pouco mais em assuntos de gestão, temos muitos conteúdos em nosso blog, como esse artigo sobre Planejamento Orçamentário na Prática.

Se tiver alguma dúvida sobre estes ou outros assuntos, fale conosco em nossas redes sociais.

Obrigado pela leitura.

Escrito por Time Medicinae

Compartilhe nas redes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email