rckt

Armadilhas que podem atrapalhar o crescimento do seu consultório

Gostando ou não do termo, sua clínica ou consultório é uma empresa. Como toda empresa, ela visa o crescimento ou, no mínimo, a sustentabilidade financeira a longo prazo.

No entanto, muitos médicos e profissionais de saúde se sentem estagnados em suas carreiras, andando em círculos e trabalhando cada vez mais para ganhar o mesmo ou menos. O impacto negativo da pandemia, que ainda é muito grande, precisa ser colocado na balança para esta avaliação. Se você, antes dos impactos do covid, já se sentia estagnado há algum tempo, pode aproveitar este momento para readaptações.

Neste artigo, falaremos sobre as principais armadilhas que podem atrapalhar o crescimento do seu consultório ou clínica. É um post inspirado no Workshop do Descomplique seu Consultório, da Dra. Clara Morena, que faz um trabalho muito legal ensinando Gestão e Marketing para médicos. Nós reunimos algumas listados por ela e adicionamos alguns do nosso lado. Sem mais delongas, vamos às armadilhas:

Entrar na guerra de preços

É necessário tomar muito cuidado com descontos em atendimentos particulares. Focar no preço justo é mais importante que o número de pacientes. Às vezes, a competitividade é tão grande, sobretudo em momentos de crise, que nos vemos quase obrigados a reduzir nossas margens e conceder descontos. Mas ninguém quer ser reconhecido como “o mais barato”, certo?

Para que seu paciente esteja disposto a pagar um preço justo, um dos fatores primordiais é o quanto ele percebe que você se importa com ele. Você certamente se importa, mas será que isso está claro para o paciente?

Quando percebemos que o valor que obtemos de um produto ou serviço é maior do que o que pagamos, nós achamos que “saiu barato”. É por isso que a gente pode achar uma conta de restaurante de R$200 caríssima e um imóvel de R$500 mil barato, certo? Por mais que o serviço prestado por um profissional de saúde tenha diversas particularidades, ele não é tão diferente neste aspecto.

Portanto, demonstrar o cuidado, ser pontual e ter empatia e escuta ativa são alguns dos aspectos que permitem que você ajuste seu preço sem perder pacientes.

Definição incorreta dos preços de seus atendimentos

Precificação é uma fundamental, muitas vezes negligenciado por profissionais de saúde. Sobre este assunto, falamos a fundo neste post.

Ter medo de vender

Sua clínica ou consultório é um negócio, uma empresa. Toda empresa que não vende, quebra. A farmacêutica quebra se não vender remédio, o convênio quebra se não vender planos, sua clínica quebra se não vender atendimentos. Se você não divulga seu trabalho, não “vende seu peixe”, você certamente tem menos pacientes do que deveria.

Posicionamento incorreto nas redes sociais

Não associe seu nome a “Condições especiais” e coisas do gênero se você não quer pacientes que forcem negociação de preço, insistam em pedido de desconto.
Muita gente acredita que sucesso nas redes sociais tem a ver com números de curtidas, comentários, seguidores etc. No entanto, o número que realmente importa é o número de pacientes que você consegue captar pela rede social. Esses números que pagam as contas.

Existe um caminho, e somente um, para um trabalho eficaz e ético (dentro das normas do CFM[link]) nas redes sociais: Conteúdo!

Qual é o interesse do seu público? Quais as comorbidades mais comuns do seu paciente? Como você, especialista, pode ajudá-lo?

Estas perguntas e respostas devem direcionar sua comunicação. O desafio é construir uma figura de autoridade no seu segmento, para que seu público, quando pensar em consultar alguém da sua área, tenha você em mente.

Treinamento inadequado da equipe

Reter um paciente custa muito mais barato do que atrair um novo. Além disso, o paciente recorrente compra mais e indica mais pessoas, na grande maioria dos casos.

A fidelização não depende só do médico. Seus funcionários são fundamentais nesta função.

O que você entende como atendimento nota 10 nos serviços que você costuma contratar? É esse nível de atendimento que você deve buscar em seu consultório. Mesmo que você seja um profissional de elite, se a experiência do paciente for ruim antes ou depois do atendimento, ele dificilmente voltará. Sua equipe precisa ser uma aliada dos seus resultados.

Centralizar tudo em você

A centralização de atividades é um problema relatado por muitos profissionais de saúde, seja por falta de confiança em terceirizá-las ou por acreditarem que ninguém pode fazer do jeito deles.

Para que seus dias sejam produtivos e organizados, é necessário delegar funções. Se o seu time não é confiável para assumir atividades que consomem tempo, avalie a viabilidade de investir em capacitação.

Resistir à adoção de tecnologia

A tecnologia pode te ajudar a: Atrair mais pacientes, organizar a sua agenda (por mais complexa que ela seja), criar um canal de comunicação com pacientes e potenciais pacientes, registrar os dados de atendimentos em prontuários, reduzir o absenteísmo, reduzir o tempo de espera, atender online, prescrever, solicitar exames, tomar decisões clínicas, gerir suas finanças, faturar e receber seus pagamentos quando quiser. Ufa! Isso porque a gente deixou muita coisa de fora.

E não, ela não vai substituir o médico. Ela veio para ajudar o médico a trabalhar de forma mais eficiente. Portanto, se você tem resistência, pense duas vezes. Isso pode ajudar muito em seu crescimento. (Se quiser ler mais sobre tecnologia em seu consultório, clique aqui).

Obrigado pela leitura.

Escrito por Time Medicinae

Compartilhe nas redes

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email